Enquete
Você ja fez a cirugia ou que fazer?
Sim, ja fiz
Quero fazer tenho medo
Meu amigo,parente q fazer
Ver Resultados

Rating: 3.0/5 (187 votos)




ONLINE
1








Cuidados após a Cirurgia

Cuidados após a Cirurgia

Cuidados após a Cirurgia Bariatrica do Bypass Gastrico

No 1º mês após a cirurgia o paciente só pode se alimentar de líquidos (não viscosos), como água, chá, suco, água de coco, caldos de galinha ou carne, etc.. Pequenos goles de 20 ml a cada 4 minutos. O motivo dessa dieta é não dilatar o estômago para não forçar a costura e evitar a deiscência da sutura, que causaria a fistula do estomago pequeno com peritonite e risco de vida .
.
. Após 30 dias da cirurgia as costuras estarão completamente cicatrizadas, não existe mais o risco de deiscência (descoser) e o paciente não corre mais risco de vida.

. A partir do 2º mês o paciente inicia a dieta que irá acompanha-lo por toda a vida:

1. Fazer 3 refeições sólidas por dia (evitar os pastosos, cremosos, doces e álcool). Os alimentos pastosos passam facilmente pelo anel e não causam sensação de saciedade, logo, engordam. É proibido beliscar durante o dia todo pois é outro fator de engorda.

2. Refeições devem ser de tamanho pequeno e ser feitas com muita calma, o ideal é comer em um prato de sobremesa. Cada refeição deve ser feita em 40 minutos. Se o paciente comer rápido ele vomitará subitamente (às vezes nem dá tempo de chegar ao banheiro !!!). Nos primeiros meses é recomendado carregar um saco para vômitos na bolsa. Ensinamos os pacientes a obedecerem aos 5 “Ts”:

Três refeições sólidas por dia (Evitar beliscar e evitar os pastosos).
Tempo para comer (comer o almoço e o jantar em 40 minutos no mínimo).
Tamanho da refeição (pequena quantidade de comida por refeição).
Tamanho dos pedaços (cortar tudo bem pequenino para não entalar no anel).
Tranqüilidade para comer (só comer em momento tranqüilo).

O médico irá cobrar do paciente : “O seu tempo de refeição é mais importante do que o seu chefe, horário do banco, etc !!! Vou cobrar que você se goste e cuide de você mesmo. Você é a prioridade !!!”.

3. Tomar primeiro o liquido e depois o sólido (Só comer depois de beber).
A seqüência ideal é: água – suco – arroz – carne.
Nunca beber depois de comer, porque o líquido empurra a comida pelo anel com violência (flush down) causando risco de girar o anel. Além disso, esse hábito diminui a sensação de saciedade, comprometendo a perda de peso.

4. Mastigar muitas vezes. Engolir. Esperar 4 minutos antes de engolir de novo (Lembre-se que os vômitos súbitos são conseqüência de comer rapidamente).
Na verdade, a alimentação pode continuar sendo uma fonte importante de prazer, trocando-se o estilo churrascaria rodízio pelo estilo restaurante francês, onde se saboreia o tempero, a variedade de preparo do alimento, a conversa, etc..

5. A refeição deve ser feita em um momento tranqüilo. Se o paciente estiver nervoso não deve alimentar-se. Deve pular essa refeição.

6. Beber muitos líquidos durante o dia (para evitar pedras no rim) e se, a urina ficar escura é sinal de que é necessário beber mais líquidos. Mas, evitar tomar líquidos 40 minutos antes ou depois das refeições. Evitar também os líquidos gasosos pois, com certeza, causarão mal estar e agonia.

7. É recomendado ao paciente comer carne vermelha pelo menos em 1 refeição por dia (o ideal é comer em toda refeição). Queremos que o paciente coma proteínas principalmente (assim forçamos o paciente a queimar as gorduras depositadas para produzir energia).

8. Às vezes, algum alimento pode entalar no anel do estômago, causando obstrução com dor, vômitos e uma sensação de agonia. Nesse caso é importante correr até o Pronto Socorro para fazer uma Endoscopia Digestiva Alta e retirar o alimento entalado (geralmente carne ou queijo mal mastigado). O paciente precisa avisar o endoscopista que ele foi operado pela técnica de Fobi e Capella e pedir para o colega entrar em contato conosco.

9. Devemos procurar identificar sinais de depressão (uso de álcool ou drogas), alteração de sono, etc. e encaminhar o paciente à psicoterapia urgentemente.

10. Devemos investigar anemia pois a “não passagem” do alimento pelo estômago pode ser a origem dessa anemia. O sintoma é o cansaço e a palidez que podem ocorrer a partir do 6o mês após a cirurgia. O tratamento é a administração de ferro e vitamina B12 injetáveis (não adianta tomar via oral). Acreditamos que o uso de vitaminas via oral diariamente ajuda a prevenir a anemia e iniciamos seu uso desde a cirurgia (ex.Vitergan Zn – 1 comprimido/dia – uso eterno, Complexo B Roche – 1 comprimido/dia – 2 meses e Centrum – do 3o mês em diante).

11. Devemos investigar anualmente com ultrassom abdominal a existência de cálculo na vesícula biliar pois a “não passagem do alimento pelo duodeno” pode originar tal doença. Uma vez diagnosticada, devemos realizar a retirada da vesícula biliar por videolaparoscopia (cirurgia por fibra ótica).

12. Avisar o paciente que nos primeiros 6 meses após a cirurgia ocorre queda de cabelo, e que geralmente o processo é limitado há esse tempo.

13. O paciente deve ter consultas mensais com o endocrinologista durante o primeiro ano após a cirurgia pois, com a perda de peso, ocorre melhora natural das comorbidades (diabetes, hipertensão arterial, insuficiência cardíaca, renal e pulmonar) e assim sendo, é necessário que as doses de medicação para tais doenças sejam reajustadas.

14. O paciente precisa saber que o anel (que faz o fenômeno ampulheta) pode girar. Isso significa obstrução da passagem da ampulheta. Nesses casos, é necessário a re-operação de urgência para desobstruir a passagem alimentar. Provavelmente a origem desse giro de anel é o paciente comer pastosos com freqüência. Ou seja, comer alimentos pastosos após a Cirurgia de Fobi e Capella é perigoso.

15. No primeiro mês o paciente pode perder 10% do peso, nos próximos a perda mensal vai sendo progressivamente menor. Em média, se o paciente colaborar, a perda de peso após 1 ano da cirurgia gira em torno de 40%. Esse novo peso deve se manter por toda a vida.

16. Por que o paciente para de emagrecer em certo momento após a cirurgia ?

Um paciente de 130 Kg queima 3.000 kcalorias por dia (andando, respirando, etc.). Esse paciente come muito mais que 3.000 kcalorias por dia, por isso, é obeso. Ao fazer a cirurgia o paciente é obrigado a ingerir apenas 300 kcalorias por dia (pois o anel não deixa passar mais que isso) e como o paciente continua queimando 3.000 calorias por dia ocorre o emagrecimento rápido, que na verdade é uma desnutrição induzida pela cirurgia (o gasto passa a ser maior que a entrada de calorias).
Após 6 meses o paciente pesará 90 Kg e passará a queimar apenas 2.000 kcalorias por dia. Nessa ocasião o paciente já aprendeu a conviver melhor com a cirurgia econsegue ingerir 600 kcalorias por dia . Assim, o “diferencial entrada/gasto” diminui e o emagrecimento também vai diminuindo.
Após 1 ano esse paciente pesará 80 Kg e passará a queimar 1.500 calorias/dia, com seu metabolismo mais magro terá maior disposição para atividades físicas e, assim, queimará outras 1.000 calorias/dia. Nessa ocasião o paciente pode aumentar um pouco a ingesta calórica, pois aprendeu a alimentar-se com a cirurgia, e acaba encontrando seu ponto de equilíbrio ocorrendo, assim, a estabilização do seu peso após 1 ano da cirurgia.

Em outras palavras: enquanto houver emagrecimento (durante o primeiro ano) haverá desnutrição. Essa desnutrição deve ser acompanhada pelo especialista mês a mês para ter seus efeitos nocivos minimizados ao máximo.

17. Às vezes, solicitamos um exame endoscópico do pequeno estômago para avaliar a passagem pelo anel. O endoscópio deve passar justo pelo anel e o endoscopista deve ver a passagem como se fosse um piloro (válvula natural de saída do estômago). Esse anel é importante porque faz com que a passagem tenha sempre o mesmo calibre (não dilatando com o tempo).

18. Como avaliar o sucesso da cirurgia ? Qual a meta ?

Acreditamos que o ideal é que o paciente perca 40% do peso. Essa perda deve ocorrer em até 1 ano de cirurgia. O novo peso atingido deve ser mantido por 5 anos no mínimo. Lembra-se: nos primeiros 6 meses os pacientes emagrecem rápido porque estão empolgados e cumprem suas obrigações como pacientes, voltam às consultas, etc.. Nos meses seguintes é necessário que o paciente mantenha dieta e atividade física para garantir o sucesso.

19. O que é a avaliação da Escala BAROS?

É um questionário que todo paciente preenche após a estabilização de peso
onde ele avalia sua qualidade de vida atual do ponto de vista de Felicidade – Atividade Física – Participação Social – Profissional – Sexual.
Outra escala modificada (de Moorehead) sugere a pergunta “Você vive para comer ou come para viver?”.

20. Como já foi dito, após 1 ano, geralmente, o paciente perde 40% do peso e ocorre estabilização do seu peso.
Nessa ocasião o paciente terá “pele caída”. Será necessário fazer cirurgias plásticas para retirar esse excesso. No homem a pele abdominal pode ser retirada por uma dermolipectomia convencional, mas na mulher será necessário em algumas vezes fazer a incisão em âncora. Há também outros excessos de pele a serem retirados, como: nos braços, nas coxas e no pescoço.